BREVE HISTÓRIA DO VOLEIBOL BRASILEIRO E A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA ESSE ESPORTE – ANOS 90

Autores/as

  • Nelson Kautzner Marques Junior Member of the Scientific Committee of the Revista Observatorio del Deporte (Los Lagos University, Santiago, Chile)

Resumen

El propósito de la revisión fue presentar la historia del voleibol brasileño y los beneficios de la educación física para este deporte en la década de 90. El artículo consta de dos capítulos que son el voleibol masculino brasileño de los años 90 (este es el capítulo 1) y el voleibol femenino brasileño de los años 90 (capítulo 2). En cada capítulo se presentan los principales eventos sobre el voleibol brasileño y la educación física de esa nación. En conclusión, el éxito deportivo de un deporte requiere un trabajo a largo plazo y la unión de la teoría y de la práctica.

Biografía del autor/a

Nelson Kautzner Marques Junior, Member of the Scientific Committee of the Revista Observatorio del Deporte (Los Lagos University, Santiago, Chile)

Master in Science of the Human Motricity by the Castelo Branco University, Rio de Janeiro, Brazil

Citas

Amoedo, C. (1990). Fôlego de gata. Boa Forma, -(39), 26-30.

Barbanti, V. (1997). Teoria e prática do treinamento esportivo. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blücher.

Barros, J. (1994). Voleibol moderno: sistema defensivo. Rio de Janeiro: GPS.

Bizzocchi, C. (2004). O voleibol de alto nível. 2ª ed. Barueri: Manole.

Bizzocchi, C. (2006). Planejamento em esportes coletivos. In. D. Rose Junior (Org.). Modalidades esportivas coletivas. Rio de Janeiro: Guanabara.

Chiappa, G. (2001). Fisioterapia nas lesões do voleibol. São Paulo: Robe.

Coelho, C. (1995). Aquele abraço. Volleyball, 1(11), 48-55.

Cunha, P., e Marques, A. (2003). A eficácia ofensiva em voleibol. In. I. Mesquita, C.

Moutinho, R. Faria (Eds.). Investigação em voleibol. Estudos ibéricos (p. 180-189). Porto: Fcdefup.

Dantas, E. (1995). A prática da preparação física. 3ª ed. Rio de Janeiro: Shape.

Forteza, A. (2001). Treinamento desportivo: carga, estrutura e planejamento. São Paulo: Phorte.

Figueira Júnior, A. (1994). Ciência do voleibol. São Caetano do Sul: CELAFISCS.

Gomes, A. (1995). Sistema de estruturação do ciclo anual de treinamento. Revista da APEF Londrina, 10(18), 77-84.

Iglesias, F. (1994). Análisis del esfuerzo en el voleibol. Stadium, 28(168), 17-23.

JB (1990). Lucchetta: a alegria de ser o melhor do Mundial, -(-), -.

Lancellotti, S. (1995). Salto com vara: renovação leva o vôlei brasileiro ao pódio olímpico. Volleyball, 1(9), 20-23.

Marques Junior, N. (2004). Biomecânica aplicada a locomoção e o salto do voleibol. Lecturas: Educación Física y Deportes, 10(77), 1-16.

Marques Junior, N. (2009). O efeito da periodização em um atleta do voleibol na areia – 1999 a 2008. Movimento e Percepção, 8(9), 54-94.

Marques Junior, N. (2012). História do voleibol no Brasil e o efeito da evolução científica da educação física brasileira nesse esporte. Lecturas: Educación Física y deportes, 17(170), 1-29.

Marques Junior, N. (2012b). Medalhas nos Jogos Olímpicos: estatura das seleções do voleibol brasileiro. Lecturas: Educación Física y Deportes, 17(172), 1-10.

Marques Junior, N. (2012c). História do voleibol, parte 1. Lecturas: Educación Física y Deportes, 17(169), 1-13.

Marques Junior, N. (2012d). Biomecánica aplicada a la locomoción y el salto em el voleibol. Lecturas: Educación Física y Deportes, 17(171), 1-23.

Marques Junior, N. (2012e). Balanceio dos braços na cortada do voleibol. Lecturas: Educación Física y Deportes, 17(175), 1-6.

Marques Junior, N. (2015). Fundamentos que fazem ponto durante o jogo de voleibol: um estudo de correlção. Revista Observatorio del Deporte, 1(3), 134-145.

Marques Junior, N. (2019). Benefícios da revolução russa. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 11(1), 210-221.

Marques Junior, N. (2019b). Biomecânica dos fundamentos do voleibol: saque e ataque. Revista Universitaria de la Educación Física y el Deporte, 12(12), 28-40.

Matsudo, V. (1998). Testes em ciências do esporte. 6ª ed. São Caetano, do Sul: Celafiscs.

Matveev, L. (1990). O processo de treino desportivo. 2ª ed. Lisboa: Horizonte.

Matveev, L. (1991). Fundamentos do treino desportivo. 2ª ed. Lisboa: Horizonte.

Matveev, L. (1995). Preparação desportiva. São Paulo: FMU.

Matveev, L. (1996). Comentários modernos sobre a forma desportiva. Revista Treinamento desportivo, 1(1), 84-91.

Matveev, L. (1997). Treino desportivo: metodologia e planejamento. Guarulhos: Phorte.

Monteiro, J., Costa, A., Silva, R., e Moutinho, C. (1993). Quantificação e caracterização dos deslocamentos do jogador distribuidor presente no Campeonato do Mundo da juventude em voleibol, Portugal 91. In. J. Bento, e A. Marques (Eds.). A ciência do desporto a cultura e o homem (p. 361-372). Porto: Universidade do Porto.

Oliveira, P. (1998). O efeito posterior duradouro de treinamento (EPDT) das cargas concentradas de força – investigação a partir de ensaio com equipe infanto-juvenil e juvenil de voleibol. Campinas, UNICAMP, Tese de Doutorado.

Oliveira, P., e Batista Freire, J. (2001). Dinâmica da alteração de diferentes capacidades biomotoras nas etapas e micro-etapas do macro-ciclo anual de treinamento de atletas de voleibol. Revista Treinamento Desportivo, 6(1), 18-30.

Oliveira, P. (1997). Particularidades das ações motoras e características metabólicas dos esforços específicos do voleibol juvenil e infanto juvenil feminino. Revista das Faculdades Claretianas, -(6), 4756.

Oliveira, P. (2008). Periodização contemporânea do treinamento desportivo. São Paulo: Phorte.

Resende, R. (1996). Caracterização da atividade física em voleibol de praia. Revista Horizonte, 13(74), 1-12.

Revista Olímpica Brasileira (1993). Brasil campeão da Liga Mundial de vôlei, 2(5), 19-20.

Rigolin da Silva, L. (2006). O fenômeno da compensação. Desempenho esportivo: crianças e adolescentes (p. 387-423). São Paulo: Phorte.

Rocha, P. (1976). A marcha do voleibol moderno nas Olimpíadas de Montreal: a preparação física da seleção brasileira. Revista de Educação Física, -(-), 31-34.

Rocha, P. (1983). Preparação física da seleção brasileira masculina de voleibol. Sprint, 2(7), 15-17.

Rodacki, A., Bientinez, R., Cruz, E., Machado, A., Santos, A., Pereira, E., Silva, F., Ribas, G. (1997). O número de saltos verticais realizados durante partidas de volibol como indicador da prescrição do treinamento. Revista Treinamento Desportivo, 2(1), 31-39.

Shalmanov, A. (1998). Voleibol: fundamentos biomecânicos. Guarulhos: Phorte.

Silva, F. (2000). Planejamento e periodização do treinamento desportivo: mudanças e perspectivas. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, 1(1), 29-47.

Silva, F., Araújo, R., e Batista, G. (1998). Voleibol de praia: o treinamento de uma dupla bicampeã mundial. Revista Treinamento Desportivo, 3(3), 17-26.

Stanganelli, L. (1992). Características fisiológicas do voleibol. Revista da APEF Londrina, 7(l3), 37-43.

Stanganelli, L., Costa, S., e Silva, P. (1998). Análise da frequência cardíaca de jogo em atletas de voleibol infanto-juvenil: de acordo com suas funções específicas. Revista Treinamento Desportivo, 3(2), 44-51.

Tubino, M. (1993). Metodologia científica do treinamento desportivo. 13ª ed. São Paulo: Ibrasa.

Verkhoshanski, Y. (1995). Preparação de força especial. Rio de Janeiro: GPS.

Volleyball (1994). Show à italiana, 1(6), 35-38.

Volleyball (1994b). Viva a geração de prata, 1(7), 24-39.

Zakharov, A. (1992). Ciência do treinamento desportivo. Rio de Janeiro: GPS.

Publicado

2021-06-16

Cómo citar

Marques Junior, N. K. . (2021). BREVE HISTÓRIA DO VOLEIBOL BRASILEIRO E A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA ESSE ESPORTE – ANOS 90 . Revista Edu-Física, 13(28), 30 - 47. Recuperado a partir de http://revistas.ut.edu.co/index.php/edufisica/article/view/2268